Quem salvará os garis?

https://jornaldesobradinho.com.br/slu-amplia-coleta-seletiva-no-plano-piloto-e-inclui-regiao-de-sobradinho-ii/

 Frequentemente observo os garis em Brasília colocando suas vidas em risco. Estamos em 2020 e até hoje não evoluímos a nossa coleta de lixo. Entrei no site do SLU ( http://www.slu.df.gov.br/ ) para buscar alguma informação sobre  os garis e como é feita a coleta de lixo, com  intuito de pesquisar se há algo novo  na limpeza do DF e se há uma preocupação com a saúde dos profissionais nesta época de Covit-19. Como pode até hoje estes profissionais se pendurarem em caminhões insalubres? 

Conversando com um amigo , Jorge Lucas, que é acadêmico do 6º ano de medicina na Universidade Federal da Integração Latino-Americana , ele escreveu este texto :

" Você conhece os riscos por trás daquele trabalho nobre, realizado para proteger a sociedade, aquele trabalho essencial, sem o qual as ruas seriam literalmente um caos? Vamos falar um pouco dos profissionais da limpeza, esses funcionários e funcionárias que estão nas ruas, deixando as ruas mais limpas, e não só isso, mais seguras, e também do seu nobre trabalho e porque é tão importante.

A chamada “sujeira” pode parecer inofensiva, e a própria higiene muitas vezes é até tratada como “frescura”, como se o mal-cheiro fosse a única coisa desagradável a seu respeito. Mas será que é assim mesmo? Uma curiosidade, é que na idade média não havia serviços de limpeza, nem esgoto, de modo que as ruas eram sujas, o esgoto muitas vezes próximo das casas, assim como as ruas tomadas de lixo. Tá mas o que teria a ver? Nesse mesmo período, uma doença grave relacionada a ambientes insalubres dizimou nada mais, nada menos que 1/3 da população na época. A peste negra, como assim é conhecida, se espalhava pelos ratos e pulgas, que se misturavam em meio a uma população aglomerada, sem condições de higiene.

Embora a peste não seja mais uma ameaça nos dias de hoje, existem outras doenças que podem ser transmitidas ainda por condições de higiene inadequadas. Só com relação aos ratos mesmo, estes animais, que gostam de ambientes sujos podem transmitir cerca de 40 doenças em seres humanos! E existem outras doenças infecciosas graves, causadas por bactérias que se proliferam em ambientes sujos, podendo causar doenças complicadas como pneumonia, atacar o fígado, rins, baço e intestinos, causar infecções graves de pele, contaminação de feridas, que logo se enchem de pus.

Existem também os  fungos, que podem infectar a pele, o nariz, os pulmões, até as unhas! Fungos vírus e bactérias também podem até causar meningite, uma condição grave em que há infecção da membrana que protege o cérebro. E existem também as doenças causadas por parasitas, e vermes, como barriga d’água, a famosa “lombriga”, oxiúros, entre outros. Vale lembrar que gestos simples como a higiene das mãos, e beber água filtrada podem evitar mortes, principalmente de pessoas mais vulneráveis, como crianças e idosos! Você sabia que a famosa “diarreia”, todos os anos, ao redor do mundo, tira a vida de aproximadamente 2 milhões de crianças? E os países mais pobres, em que não há serviços de tratamento de esgoto, fornecimento de água, e higiene, a “diarreia” chega a ser a terceira causa mais comum de morte em crianças. No Brasil a diarreia já foi responsável por cerca de 17.3% de todas as mortes infantis entre 1985 a 1987. Após investimentos nos serviços de tratamento de esgoto, e no acesso a água, esse dado mudou, e no período entre 2003 e 2005, diarreia correspondeu somente. A 4.2% dos óbitos. 

Fica claro quando pensamos nessas coisas, e damos um olhar um pouco mais atencioso para a situação, que existem trabalhadores lutando por nós nessa guerra pela saúde e pela higiene. São verdadeiros guerreiros que lutam todos os dias, para que as ruas não fiquem acumuladas de lixo, que quando acumulado depois serve de abrigo para animais e micróbios que podem prejudicar a vida de nossos entes queridos. Lixo acumulado traz doenças, e algumas delas são muito graves. 

Todos os dias, funcionárias e funcionários da limpeza se arriscam, muitas vezes sem equipamentos de proteção individual adequados, nesse emprego digníssimo embora pouco valorizado. Chegam a derramar sangue, literalmente, quando as pessoas sem cuidado jogam no lixo vidros quebrados, sem tomar precauções ou deixar avisos. Correm o risco de se infectarem com doenças graves incuráveis, como o próprio HIV em qualquer um desses cortes. Fora o fato de ter, muitas vezes, seringas, e até lixo hospitalar, rejeitos de todos os tipos, podendo contaminar os trabalhadores que em muitas ocasiões não têm nem máscaras. Infelizmente, não há o devido valor a esse trabalho que nos protege enquanto sociedade, protege nossas crianças e nossas ruas.

Devemos ter muita certeza do valor desses profissionais, do valor de seu trabalho, do risco que passam todos os dias. Eles são verdadeiros heróis, muito mais que jogadores de futebol ou estrelas de cinema, na verdade. Da próxima vez que ver algum funcionário ou funcionária da limpeza,  cumprimente-o(a), seja gentil, seja grato pela sua função, seu trabalho, é o mínimo que pode fazer. E claro, se possível, ofereça um copo d’água ou algum tipo de solidariedade com relação a sua nobre luta. Obrigado a todas as funcionárias e funcionários da limpeza."


Jorge Lucas, acadêmico do 6º ano de medicina na Universidade Federal da Integração Latino - Americana.